Agosto chegou em força…

Finalmente, Agosto chegou em força… Não, não estou a falar do tempo meteorológico…

Nota-se que é Agosto pela relativa tranquilidade que se vive nestes dias nesta cidade.

Com tanta gente de férias, Lisboa, mesmo durante a semana, parece estar num fim-de-semana extremamente longo.

Quem passa pela Avenida da Liberdade repara, com certeza, nos reduzido número de carros (e barulho e poluição), no lugares de estacionamento livres nas laterais(!!!) e nos transportes públicos onde se consegue, mesmo em hora de ponta, ir mais à vontade, tanto no Metro como nos comboios.

Curiosamente, pouca diferença se nota na Amadora (caso não saibam, é o concelho com a maior densidade populacional de Portugal!)…

 

Condução desportiva…

Quem nunca fez, no seu carro, uma condução mais “desportiva”? Acelerações e travagens mais bruscas, ou por neura ou pelo simples gozo de tirar partido da máquina que temos em nossas mãos?

Ora, na passada Sexta-feira tive um vislumbre desses… No comboio a caminho de casa!

Sim, leste bem, no comboio!

Aconteceu quando a Linha da Azambuja se encontra com a Linha de Sintra. O comboio onde eu ia, vindo pela Linha Rossio-Sintra colocou-se lado a lado com o comboio que vinha de Entrecampos.

A partir daí parece que os dois maquinistas estavam a fazer uma corrida… Ora chego eu primeiro a uma curva, ora chegas tu primeiro à estação, ora travo eu mais tarde, ora travas tu…

A brincadeira acabou na Estação da Reboleira. O maquinista do comboio onde eu seguia deve ter recebido instruções para deixar o outro avançar e não saiu da estação enquanto o outro não desaparecia de vista…

Transportes públicos

Há umas semanas fui obrigado a andar de transportes públicos.

Já há muito que não o fazia…

Confesso que não tenho saudades das, agora maiores, longas caminhadas, mas não posso dizer que não gosto, no geral.

Nos transportes públicos pode-se ler, jornais, livros, navegar na Internet, ouvir música, que nos isola quase por completo do exterior, enquanto não chegamos ao nosso destino.

Não é dentro de um carro, no trânsito, muitas vezes pára arranca, que se sente o pulsar de uma cidade; é nos transportes públicos. Umas pessoas apressadas, outras calmas, que ficam para trás nas filas para os pórticos de saída, umas com ar feliz, outras tristes, outras resignadas, mas sempre com deslocando-se no mesmo sentido, a maior parte tomando sempre o mesmo percurso, de casa para o trabalho.

À noite, o percurso inverte-se, e as caras mostram-se cansadas, mais felizes por ir para casa, mas sempre resignadas com a rotina do dia-a-dia.

Nos transportes públicos vêm-se novos, velhos e assim assim; nas horas de ponta chegamo-nos a sentir como sardinhas enlatadas, tal a quantidade de pessoas que se acumulam nos comboios ou no metro, já demasiado atrasadas para poderem apanhar o seguinte.

Sentem-se cheiros, uns agradáveis, outros nem por isso.

Mas não há nada que se compare à tranquilidade algo inquieta, estranha, contraditória, dos transportes públicos.

Memórias de um ex-desempregado

[E]star desempregado é uma condição que, infelizmente, afecta muitos portugueses hoje em dia. Muito se fala de desemprego nas notícias, mas muito poucos sabem o que isso significa realmente para a saúde mental e física de uma pessoa. Estar desempregado é um verdadeiro teste de resistência pessoal à frustração e tédio.

Fala-se também muito de desemprego jovem, mas acho que posso afirmar com alguma certeza que são as pessoas que já tiveram algum emprego e independência que são as mais afectadas psicologicamente.

Continuar a ler “Memórias de um ex-desempregado”

Primeira noite em Moçambique

A viagem começou na sexta-feira à tarde com a ida de comboio para Lisboa. Deitei-me por volta das 23h, acordei às 3h da manhã, tive que correr atrás de um táxi que me levasse ao aeroporto, pois tinha que fazer o check-in até às 4h… :S

O vôo correu muito bem, com muito pouca turbolência… 🙂 De qualquer forma, dormitei um pouco antes do pequeno-almoço, depois dormi até quase à hora de almoço, com algumas pequenas incursões pelo mundo dos acordados. Ainda deu para ver o Deserto do Sahara! Depois de almoço, ainda dormi mais umas horas… 🙂

Foram 8 horas santas, mas quando começaram a faltar 2h para aterrar, comecei a ficar impaciente.

Assim que aterrámos, um gajo colou-se a nós e oferecia-se para tudo: procurar as malas (!!!), carregá-las, tratar dos vistos… Esta parte dos vistos é que não gostei muito, porque o gajo tinha levado o meu passaporte, mas no fim, correu tudo bem…

Tive que lhe dar 60 dólares americanos para ele pagar 50 do meu visto e de um colega… :S Estava com medo de nunca mais ver o dinheiro, pois isso é o salário mínimo daqui… :S No fim, como tinha nada mais pequeno, acabei por lhe dar os 10 dólares que me tinha trazido de troco… :S

Estavam já uns colegas nossos à nossa espera para nos levar de carro até à “Mansão”. É o nome que damos à casa onde estamos… A sala de estar e a cozinha juntas são maiores que a minha casa de Lisboa… 🙂

Entretanto, os colegas que tinham ficado em casa ou que têm casa própria, prepararam-nos um jantar de caranguejo, camarão, camarão tigre, e ameijoas. E um pouco de pão, também!

our-welcome-dinner

 

Depois fomos para a night! Existe um barzito onde se dança tango, salsa, e outras danças assim na Estação Central de Comboios de Maputo!!! Ainda é edifício feito so o domínio português e foi candidato a uma das 7 Maravilhas do Mundo Moderno. 🙂 Nota-se que é arquitectura Portuguesa.

Como estava muito cansado, vim-me embora mais cedo com mais 3 colegas. A caminho, fomos mandados parar por uma brigada policial de 6 a 8 agentes… Armados com Kalashnikov AK-47!!!

Começaram por pedir os documentos todos; claro que tive que entregar o meu passaporte; depois implicaram com o facto dos meus colegas de trás (eu estava à frente, no lugar do pendura…) não trazerem cinto. O meu colega que estava ao volante perguntou ao polícia se não se poderia resolver o assunto de outra forma… 🙂 Ofereceu-lhe 200 meticais. Mas o gajo queria mais, então, depois de uns dois minutos, o meu colega concordou em dar-lhe 300!!! Assim se foram embora os polícias… 🙂

Não se assustem por serem 300 meticais… À taxa de câmbio de hoje, 1 euro são 41 meticais!!! 😉

Largámos os dois de trás no hotel deles e fomos então os dois para casa. Não chegámos lá antes de ser novamente mandados parar por outra brigada.

O dia de hoje foi mais calmo… Como muito do pessoal chegou por volta das 6h da madrugada (que aqui já é dia claríssimo), foi quase toda a manhã a dormir. Fomos ainda ao centro comercial almoçar, comprar um cartão de telemóvel e ao supermercado comprar água engarrafada.

Posso-vos dizer que, neste momento, é-me quase impossível descrever o lugar. É simplesmente diferente de tudo o que já tenha visto.

Sempre que se está a estacionar, está lá o moedinha… Mas aqui não se lhes dá a moeda depois de estacionar… Apenas quando se vai para sair… O normal é darem-lhes 5 meticais. E lá vão eles todos contentes!

Conseguem-se comprar todo o tipo de coisas na rua, desde tabaco, a extensões eléctricas e adaptadores de tomadas (que aqui são diferentes das da Europa, pelo menos em algumas casas, como a onde estou). Mas não é preciso ir ter com os vendedores… Eles vêm ter connosco… 🙂

É impressionante o número de estrangeiros aqui. Já ouvi falar brasileiro, inglês, mas principalmente português europeu! Há muitos portugueses aqui! São quase uma praga!!! 🙂

As avenidas são larguíssimas, com duas vias de rodagem para cada sentido, com separador central. Mas o piso é tão bom, como a estrada florestal que vai de Quiaios até Mira, em média… 🙂 Há ruas piores e outra melhores.
As grandes avenidas têm todas nomes de grandes personalidades, como Robert Mogabe, Kim Ill-Sung e outros do género. Mas mesmo assim, a grande personalidade mais vista por aqui é Samora Machel!!! Sim, ele ainda é vivo e está em TODAS as notas que existem em circulação!!!

Por isso podem imaginar que não se pode contar anedotas dele por estas bandas… 😀

Amanhã é o primeiro de trabalho a sério e vou ter que ir de fato e gravata. 🙁

E agora, aos bravos que conseguirem ler esta frase, quero deixar abraços; às “bravas” muitos beijinhos!!!

Tenho que me deitar, pois o dia aqui começa às 6h30 e acaba às 17h. À 17h30 já é noite cerrada! E ninguém trabalha depois do por do Sol. Agora são precisamente 1h da matina!!!

Jean Michel Jarre no Coliseu dos Recreios

Ontem fui ver Jean Michel Jarre ao Coliseu dos Recreios. Já tinha bilhete há mais de um mês e estava ansioso que chegasse o dia de ontem. 🙂

A única coisa que me ocorre dizer sobre o concerto é que foi ESPECTACULAR!!!

O concerto incidiu principalmente pelos álbuns Oxygène e Oxygène 7-13. Acho que também que também houve lugar a umas músicas do Equinoxe, mas não tenho a certeza. Jarre aproveitou a ocasião para fazer umas remixes e não consegui reconhecer algumas das que ele tocou.

No início tive um pouco de dificuldade em ver como deve ser, pois não me conseguia chegar ao gradeamento da galeria, mas lá consegui arranjar um cantinho para poder ver o mestre dos sintetizadores analógicos dos anos ’70. 🙂

Em termos de espectáculo, não foi grandioso como os concertos dele ao vivo. Nem um único laser foi utilizado ontem. Curioso foi um espelho inclinado que instalaram e que descia do tecto que nos mostrava os músicos vistos de cima! De resto, apenas foi utilizada uma projecção num ecrã gigante por de trás deles, primeiro apenas cores, e mais para o final, vídeos.

De qualquer das formas, fiquei ainda mais entusiasmado com o que ele disse no fim, e passo a citar “Hope to see you very soon, outdoor!!!“. Poderá querer dizer que ele volta a Portugal para um concerto ao ar livre. Só o futuro o dirá, mas uma coisa é certa: lá estarei… Nem que seja longe de Lisboa ou Coimbra!

No fim, após alguma insistência nossa, Jarre fechou com o Oxygène 13 um pouco re-misturado, dedicando-o a portugal, com os votos do 13 se tornar número de sorte! Espero ter tempo de ver as fotos para colocar algumas das melhores aqui.


Trabalho, trabalho, trabalho…

Mais de um mês sem escrever nadinha… Pois é, mas o trabalho assim o ditou. Estive todo este mês a trabalhar para a mudança de uma aplicação importante da DGITA e como tenho chegado a casa tarde e cansado, nem tenho tido paciência para blogar

 

Concerto espectacular

Ontem fui ver o concerto dos Metallica, integrado no festival Super Bock Super Rock, como já tinha falado.

Foi espectacular. Apesar de ter demorado muito tempo para entrar (demorámos mais de 2 horas para entrar), ainda cheguei a tempo ao interior do recinto a tempo de ver e ouvir (mais ouvir que ver, na realidade…) Joe Satriani, que, curiosamente, foi professor do guitarrista dos Metallica, o Kirk Hammett.

Voltando aos Metallica, no concerto tocaram principalmente músicas antigas, dos primeiros álbuns, isto é, o melhor deles. Neste momento interromperam a gravação do próximo álbum, que vai sair para o ano que vem, segundo eles próprios.

Claro que fiquei quase afónico por tentar cantar. De resto, a noite foi bem passada com os meus amigos, regada com alguma cerveja, embora não tenha exagerado, e com um dia de trabalho depois de apenas 4 horas de sono… 🙁

Sick of the Studio ’07 tour

Este é o nome da digressão que os Metallica vão fazer no Verão e começa hoje em Lisboa.

O concerto de hoje está integrado no Super Bock Super Rock 2007.

Eu e mais uns milhares de pessoas estaremos lá para ver a melhor banda de heavy metal do Mundo. Espero que seja fixe e sem problemas.

Além do mais, vou estar com os meus amigos de Coimbra que vêm a Lisboa de propósito para os ver também.

Metallica

Anteontem fui comprar bilhete para poder ir ver Metallica hoje. 🙂

Mal posso esperar por ir… Até vou sair mais cedo do serviço e tudo para poder ir.

Vem uma porrada de pessoal de Coimbra para ver e espero ainda poder beber uma cervejola com eles na esplanada da Portela antes de ir… 🙂